quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Dificilmente complicado

Complicado é, principalmente, aquilo que não estamos afim


Perguntei há quanto tempo ele estava solteiro e ouvi “Então... É complicado”. Esse é o momento que você começa a fazer uns sons estranhos, meio fanhos com a boca e finge que teve um derrame só para terminar a ligação.

Em vez disso, eu disse de volta: “Entendo”.

Entendendo nada! Conheci o Fofo em um coquetel que fui a convite do Lindo com quem estava saindo na época. O Fofo chegou em uma amiga que revi depois de anos de formados juntos e perguntou quem eu era, com quem eu estava, se meu cabelo é natural, se tenho histórico de diabetes na família e coisas do tipo, além do meu telefone.

Passado o meu número, troca de mensagens na mesma noite e um encontro rápido dias depois. Fui até ele em um bar quando saí de um jantarzinho com amigos. Eu, ele, a tal amiga minha de faculdade e um trio de amigos dele. Sento na cadeira ao seu lado, ele pega na minha mão, faz brincadeiras, clima leve, me abraça por trás da cadeira, minha mão na perna dele e, juro, que senti uma argola no bolso de sua bermuda. Esse é o momento que você finge uma reação alérgica ao belisco que comeu no bar e começa a asfixiar como se sua glote estivesse fechando e corre para tomar um ar. O ar que só tem na sua própria casa.

Mas, não. Fiquei. Fui ao banheiro e ele correu atrás. Me lascou um beijão lá mesmo. Bom demais. Voltam os dois para a mesa e pagam de casal de novo.

Foi aí que nos próximos dias ele me lembrou que o celular também faz ligação e não precisa viver só de 4G e wifi. Me ligou. Quarenta minutos de papo e risadas deitado na cama, olhando para o ventilador de teto e me divertindo sem ver o tempo passar. Ele: “Quando vamos nos ver de novo?”. Eu: “Vamos combinar”.

Mensagens e mais mensagens por alguns dias – recebi até fotos dele no carro em frente a empresa em que trabalho, tiradas enquanto ele viajava para a cidade dos seus pais. Um charme, né? Eu adorei.

Segundo telefonema dele e a minha pergunta sobre o tempo desde o fim de seu namoro. A resposta eu já contei. O que era a argola no bolso da bermuda no bar, eu deduzi.

Então, é complicado? Muita gente, sim, bem complicadinha. E nesses nove meses solteiro, vi e revi. Ou melhor, vejo e vou rever.

O Fofo continua me chamando. Ia viajar para fora do Brasil, não sabe mais se vai. Está esperando a resposta de uma proposta que surgiu por aqui. Já até entregou seu apartamento. Eu, sinceramente, gosto da vibe dele. E mais: admiro gente desprendida que se arrisca e experimenta as coisas em um esquema de controle total de sua vida. Mas domínio demais para agir sempre do jeito que quer, como quem realmente pode tudo, é delicado.

Imagina: estou pensando em terminar o meu namoro, por isso estou saindo com você. Termina primeiro. Abra espaço no guarda-roupa para só então comprar peças novas. Sempre ouvi que “Não se pode ter tudo”. Acredito e tenho isso comigo como uma reza. Se discordarmos disso, seremos insaciáveis eternamente. Saiba o que te pesa mais e priorize isso. O restante, de gostoso e de dificuldade, virá no pacote.

Complicado é, principalmente, aquilo que não estamos afim. A matéria na faculdade, o relatório que precisa entregar todo mês, o prato para preparar sem vontade de ir para a cozinha, a corrida no parque antes do expediente sem a menor afinidade com exercícios, o relacionamento que não estamos dispostos a ter. Isso, sim, é complicado.




~D|caneca~D|caneca~D|caneca~D|caneca~D|caneca~D|caneca

Deixe o seu comentário

~D|caneca~D|caneca~D|caneca~D|caneca~D|caneca~D|caneca



5 comentários:

Anônimo disse...

Complicado é ter essa sensibilidade e perceber todas essas atitudes nos outros e ainda assim dar oportunidade, dar tempo, dar atenção e dar a sua verdade. Penso que as pessoas usam muito da conveniência hoje. Querem ter alguém a disposição, mas a aventura... aaaahhhh! Podem até gostar, mas ficam sempre na espreita de uma novidade. Querem tudo e no fundo não tem nada. Não constroem nada. No fim das contas fica só aquela coisa do e se eu tivesse sido diferente. E o vazio, claro! Amei o texto. Me identifico ❤

Matheus Farizatto disse...

Ficar na espreita pela novidade para não perder o "vai que aparece algo melhor" é a melhor definição do pessoal aí fora, definitivamente.
Obrigado pelo comentário. Eu adorei. Um beijão.

Anônimo disse...

Complicado é o sinônimo de tantas coisas né?
Complicado - Você tem bafo
Complicado - Você é chato para caralho
Complicado - Tô sem grana
Complicado - Não sei se vale a pena
Complicado - Tô afim de dar para outra pessoa
Complicado - Tem uma festa hoje e eu não vou perder para ficar ouvindo o seu nhenhenhê
Complicado - Ela tem depressão e eu não quero te dizer
Complicado - Não entendi porra nenhuma
Por isso quando alguém me diz que é complicado tenho vontade de mandar a pessoa ir se fuder...

Matheus Farizatto disse...


É complicado... rsrsrs

Lucimara Souza disse...

Adorei, como sempre!
Delícia de texto. E o melhor: descomplicado. Claro! Direto!