quarta-feira, 11 de março de 2015

A primeira temporada de Girls

É estranha. É crua. Tudo na série é. Estranho e confortável
Tão bom conhecer algo que pouca gente comenta... Com aquela pegada meio “alternê” mesmo. Pensada assim. De propósito. Ainda mais no universo das séries – no qual não sou o melhor acompanhante mas sei o que rola.

Em 2012 li sobre a estreia de Girls e as várias comparações com Sex and the City. Desde então fiquei com o show no radar mas sem me dedicar a buscá-lo em meio às outras séries que estava acompanhando. Aconteceu. Em poucos dias engoli a deliciosa primeira temporada.

Girls é um alívio. Em tudo! Bebe sim de Sex and The City. E cativa – justamente – pela falta de glamour. E olha que diferente da série dos anos 90, início dos 2000, com as trintonas solteiras de Manhattan, Girls é um grupo de meninas que vive os 20 anos – apesar de também serem quatro amigas.

O que me pegou demais na produção da HBO é que os assuntos da série são realmente coisinhas da casa do 2.0 – como dividir apartamento no começo da vida adulta, amizades, virgindade, drogas, amores e a procura por um emprego decente – mas é tudo produzido de um jeito tão gostoso que apaixona. Impossível não querer ser amigo da Hannah – e de quebra a atriz Lena Dunham também é criadora da série, aos 28 anos. Beleza? Talento!

Hannah é estranha. É crua. Tudo na série é. Estranho e confortável. De toda a parte técnica da produção até o texto. Faz rir e fazer cara de “Oi?!”. É inocente e sacana.

Enquanto a quarta temporada está rolando, já estou com a segunda e a terceira para emendar nos episódios de trinta minutinhos cada. Come on, Girls?!  iLUVit

Já é seguidor do Caneca? Curta também a fan page.





2 comentários:

Daniela Teixeira disse...

Matheus, comecei a ver a série assim que saiu. Foi um choque e uma imensa identificação. Todas as coisas sem noção que a Hanna tem a capacidade de fazer (como ir numa entrevista de emprego e chamar o cara de estuprador) eu faço semelhante e outras situações que aconteceram com as outras personagens, aconteceram comigo quando estava no início dos meus 20 e poucos anos. Girls é assim, eu assisto, me incomodo com as situações da série, paro de ver, mas depois volto. Amor e choque total. Saudades de você, escreva sobre essas garotas mais vezes. Bjoooo

Matheus Farizatto disse...

Hahahahaha... Tem razão, Dani. A Hannah é TÃO VOCÊ!

E é exatamente isso: amor + incômodo = vício.

Adorei seu comentário no Caneca.
Um beijão