domingo, 21 de setembro de 2014

Livro “Cidades de Papel”



Aos poucos terminei três livros no esquema Leitura Paralela Sobre Diferentes Temas Para Não Cansar. Logo vou escrever sobre os outros dois: “Masters of Sex” e “Amor Veríssimo”.

Minha relação com o autor João Verde (John Green, em tradução livre) começou quando “A Culpa é das Estrelas” estourou em vendas e comentários e então tudo o que o cara publicava vendia que era uma beleza. Eu não li nem assisti ao drama-teen-romântico-lição-de-vida que levou muita gente para conferir a adaptação do livro para o cinema.

Meu namorado leu e adorou. Também chorou com o filme. A partir daí se tornou (quase) especialista no autor. Seu ranking é 1: “Cidades de Papel”, 2: “A Culpa é das Estrelas” e 3: “O Teorema de Katherine” – enquanto ele parou na metade de “Quem é Você, Alasca?” porque, segundo ele, está gostando tanto do livro que não quer que termine. Oqueeei, meu lindo!

Em meio a todo o reboliço, fiquei curioso para saber qual é o dom de John. Peguei o “Cidades de Papel”. Li e gostei. Mas nada que eu vá ovacionar.

A história é boba: uma adolescente à toa resolve sumir no mundo deixando algumas pistas para ser encontrada pelo seu amigo e vizinho inseguro que é um filho exemplar e busca algo para “se arriscar na vida”, por isso decide cair na estrada para encontrar sua paixonite revoltada que o tira da zona de conforto de uma vida segura e previsível.

O livro te acrescenta quase nada, maaas, o lance é o jeito como o Johnzinho escreve. Ele pode publicar um livro sobre como trocar pilhas de um controle remoto que a leitura será gostosa, leve e vai fluir.

Talvez eu leia algum outro dele. Mas sobre John Green, eu já descobri o que precisava.



Nenhum comentário: