quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

“O avião de papel”


Quantas vezes nos damos realmente conta de que é preciso tomar uma atitude que nos tire da zona de conforto para só então conquistarmos algo novo?

Como bom fã de animações, assisti ao “Detona Ralph”, novo longa dos estúdios de Walt Disney. Valeu o ingresso e também descobrir que uma parceria do banco no qual sou cliente oferece desconto da metade do valor da entrada e do combo com pipoca e refrigerante – agora é só esperar que o marketing do tal banco leia esta crônica e comece a anunciar no Blog VJ para eu passar a citá-los.

Mas melhor que o filme em si, os comes e os bebes, foi o curta-metragem exibido antes de “Ralph”. Há anos a Disney costuma presentear os fãs com uma breve historinha, também em animação, antes de seus carros-chefes. A agradável surpresa da vez foi “O avião de papel”.

No conto de sete minutos que assisti através das lentes dos óculos para 3D, um rapaz encontra uma moça enquanto aguarda em uma estação de metrô. Com uma pasta de papéis em seu colo, um destes voa e atinge o rosto da senhorita, que, sem querer, deixa a marca de seu batom em um beijo carimbado na folha. Os dois riem da situação e seguem suas rotinas. Na animação em preto e branco, apenas o batom da garota – tanto em seus lábios como no papel levado pelo rapaz – dão um toque de cor com um vermelho vivo na telona.


Após o encontro casual, o rapaz chega a seu trabalho maçante de lidar com papéis junto a outros empregados tristes que passam o dia de cabeças baixas, seguindo ordens de um chefe general. Em meio à rotina do escritório, ao olhar para o prédio ao lado, torna a ver a moça em uma das janelas e então começa a fazer aviões de papel e arremessá-los na tentativa de que ela o veja novamente – atitude que o leva a tomar algumas broncas de seu chefe xarope.

Nada adianta. Os vários aviões não chegam à janela da senhorita. Nem mesmo o feito com o papel que guarda a marca de seu beijo. De repente, a moça sai da sala em que está e caminha de volta para a rua. O rapaz se desespera, joga tudo para o alto em seu emprego e decide correr para encontrá-la.

Ao chegar à rua, a perde de vista e encontra apenas o aviãozinho com a marca de batom. Revoltado, o ignora e resolve seguir seu caminho. É aí que o vento leva o avião de papel até a moça, enquanto todos os outros que ele arremessou do prédio e terminaram em um beco, começam a voar conduzindo o rapaz pelas ruas, avenidas, escadas, e o leva ao encontro da bela que também seguiu aquele outro avião marcado pelo beijo.


Claro que os dois se reencontram e começam um romance. Mas narrei a história, pois me chamou muita atenção o quanto uma simples animação, com menos de dez minutos, pode nos acrescentar tanto.

Quase sempre nos dedicamos a algo acreditando que estamos dando tudo o que podemos para conquistar aquilo que buscamos e, quando não funciona, achamos que tal coisa não é pra acontecer ou que a vida é injusta, afinal, jogamos tantos aviõezinhos e nenhum chegou à janela do prédio ao lado. Mas quantas vezes nos damos realmente conta de que é preciso tomar uma atitude que nos tire da zona de conforto para só então conquistarmos aquele novo?

É sempre mais fácil atirar aviões de papel em vez de enfrentarmos um chefe e corrermos para a rua perseguindo de verdade aquilo que queremos em nossas vidas.


9 comentários:

Francine Ribeiro disse...

Oi Matheus,
adorei sua narrativa e fiquei tentadíssima a ir ver no cinema.
Ontem uma amiga me passou o trailer do Detona Ralph, infelizmente, ele não fala tanto pra mim quanto pra essa acima que teve uma infância de video game. Mas adorei o curta! rs
Normalmente esses curtas da Disney-Pixar são fantásticos!
Ah, espero que 'o tal banco' leia seu texto! rs

abraço

Matheus Farizatto disse...

Pois é, Fran.

A Pixar lançou uma primeira coletânea destes curtas há alguns anos e acaba de chegar uma segunda às lojas.

Cur-to-mui-to.

Beijos. E se assistir ao Ralph, me conte o que achou.

Paty Michele disse...

Oi Matheus,

Levei meu filhote pra ver o Detona Ralph e me encantei com o curta. acho que até ele gostou tbm. rsrs

Um abraço.

Matheus Farizatto disse...

Ah, mas esta degustação é mesmo IRRESISTÍVEL, Paty.

Tenho certeza que ele deve ter adorado o Ralph.

Beijo, lindona. Apareça mais.

Larissa disse...

Tão singelo, e tão verdadeiro.
Adorei!

Bjo grande!

Matheus Farizatto disse...

É uma delícia.

Beijo, Lá.

Maria C. disse...

Muito bom seu post :) Fui assistir o filme ontem e fiquei encantada com a animação. Tentada, decidi buscar mais sobre ele e encontrei seu site, uma análise bem simples, mas muito verdadeira! Parabéns :)

Anônimo disse...

Você teria o video do curta metragem ? ;s

Matheus Farizatto disse...

Olá!

O curta ainda está nos cinemas. Sairá oficialmente quando chegar o "Detona Ralph" em DVD. Mas é possível encontrar algumas gravações feitas de dentro do cinema, no YouTube.

Um abraço e thanks!