quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Por Veríssimo



Melhor que ganhar livro é terminar a leitura de um. O impresso da vez foi a coletânea de crônicas “Em Algum Lugar do Paraíso”, de Luis Fernando Veríssimo.
No geral, é mais do mesmo Veríssimo. Vale a leitura, mas dificilmente sai daquela pegada de sempre do autor.
Destaque para a crônica “Solidão”, que ficou em minha cabeça enquanto eu seguia a leitura das outras que não a superavam neste apanhado de textos.
Ri e refleti. Valeu o livro. Faz bem ficar sozinho, mas a solidão absoluta nos faria surtar.

VJ VJ VJ VJ VJ VJ VJ VJ VJ VJ VJ VJ VJ VJ VJ VJ VJ VJ VJ

Solidão

Finalmente liberadas as gravações que a NASA fez das experiências realizadas com o tenente da Marinha John Smith para testar o comportamento humano em condições de completo isolamento durante longos períodos de tempo, iguais ao que o homem terá que enfrentar na exploração do espaço. O tenente Smith foi escolhido pelas suas perfeitas condições físicas e mentais. Foi colocado dentro de um simulador de vôo com comida bastante para dois anos e os instrumentos que normalmente levaria numa missão, inclusive um computador. Todos os dias Smith teria que fazer um relatório verbal para que seu estado fosse avaliado. O que segue são trechos das gravações feitas dos seus relatórios.
Primeiro dia. "Meu nome é John Smith. Estou ótimo. Passei todo o dia me familiarizando com este meu pequeno lar. Já desafiei o computador para uma partida de xadrez. Acho que nos daremos muito bem. (Risadas.) Só tenho uma queixa: esta comida em bisnagas não se parece nada com a comida de mamãe... (Risadas.) Dois mais dois são quatro. Encerro".
Uma semana depois. "John Smith aqui. Continuo muito bem. Ainda não consegui vencer nenhuma partida de xadrez deste computador. Acho que ele está trapaceando. (Risadas.) Três vezes três é nove. Encerro".
Um mês depois. "(Risadas.) Meu nome é John maldito Smith. Tudo bem. Um pouco entediado, mas tudo bem. Consegui finalmente ganhar uma do computador, embora ele negue. Vou ter que derrotá-lo de novo para convencer este cretino. Calculei mal e já comi todas as bisnagas de torta de maçã. Agora só tem maldito limão. Dois vezes três são, deixa ver. Seis. Quer dizer... Não. Está certo. Seis. Encerro". 
Dois meses depois. "Vocês sabem quem eu sou. John qualquer coisa. Não agüento mais a arrogância deste computador. Ele não é humano! Insiste que me deu xeque-mates inexistentes e se recusa a admitir que está errado. Tivemos uma briga feia hoje. Dois mais dois são... sei lá. Encerro".
Quatro meses. "Alô. Tenho provas irrefutáveis de que o computador está tentando boicotar esta missão! Ouvi claramente ele dizer alguma coisa desagradável sobre mamãe. Canta Strangers in the Night em falsete e não me deixa dormir. Não me responsabilizo pelo que possa acontecer. Estou muito bem, lúcido e bem disposto. Com licença que estão batendo na porta".
Sexto mês. "Meu nome é Smith. Maggie Smith. Por hoje é só".
Oitavo mês. "(Risadas)".
Nono mês. "Smith aqui. Aconteceu o inevitável. Matei o computador. Estávamos com um problema, onde colocar as bisnagas vazias, e ele fez uma sugestão deselegante. Agora está morto. Não tenho remorsos. Ontem recebi a visita de um vendedor de enciclopédias. Não sei como ele conseguiu entrar aqui. Dois mais dois geralmente é nove. Encerro".
Décimo mês. "Meu nome é Brown ou Taylor. Um mais um é umum. Dois mais dois, não. Iniciei um projeto importantíssimo. Com as bisnagas vazias e partes do computador, estou construindo uma mulher".
Um ano. "Redford aqui. Sinto falta de um espelho para poder ver a minha barba, que está bem comprida. A mulher que fiz de bisnagas vazias e partes do falecido computador ficou ótima mas, infelizmente, nossos gênios não combinavam. Ela foi para casa de seus pais. Dois mais dois..."
Décimo-quarto mês. "Minha barba está tentando boicotar a missão! Faz um estranho barulho eletrônico e várias vezes já tentou me estrangular. Deve ser comunista. Começaram a chegar as enciclopédias que comprei. Tenho jogado xadrez comigo mesmo e ganho sempre".
Décimo-quinto mês. "Aqui fala Zaratustra. Atenção. Encontrei pegadas humanas dentro da cabine. Estou investigando. Mandarei um relatório depois. Duas vezes três é demais. Encerro".
No dia seguinte. "Grande notícia. Há outro ser humano dentro da cabine! Seu nome é Smith, John Smith, mas como o encontrei numa terça-feira o chamarei de "Quinta". Ele não fala, mas joga xadrez como um mestre. (Risadas). Talvez tenha que matá-lo".
Neste ponto, os cientistas da NASA acharam melhor abrir a cápsula. Encontraram Smith com as mãos em volta do próprio pescoço gritando: "Trapaceiro! Trapaceiro!". 


2 comentários:

Cleyton Meireles disse...

Passei para agradecer pelo livro "Le Monde Bizarre" que ganhei na promoção, finalmente chegou e comecei a ler hoje mesmo. Os contos são tão incríveis e envolventes que é difícil largar o livro. Já estou ansioso pela próxima promoção!

Matheus Farizatto disse...

Poxa, Cleyton, finalmente vai curtir seu livro! Hehehe. Que bom que gostou. Eu também não conseguia parar de ler. Muito bom.

Aproveite e espero te ver sempre no VJ! Abração.