domingo, 13 de maio de 2012

"Condição de entrega"


Poderia discorrer sobre o assunto e a grande descoberta do porquê de um relacionamento não dar certo por muito tempo, o motivo para não conseguirmos mantê-lo, mas, Martha Medeiros fez isso primeiro e em grande estilo. No livro “Feliz por Nada”, a crônica “Condição de entrega” mata a pau.

É triste, porém, confortante. Realmente não há como viver um envolvimento pleno sem esta receita aqui embaixo. Cata e curta!


VJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJ 




Condição de entrega

... Romance, surpresa etc, não chegam a ser novidade em termos de pré-requisitos para um amor ideal, supondo que amor ideal exista, mas "condição de entrega" me fez erguer o músculo que fica bem em cima da sobrancelha, aquele que faz com que a gente ganhe um ar intrigado, como se tivesse escutado pela primeira vez algo que merece mais atenção.

Mesmo havendo amor e desejo, muitas relações não se sustentam, e fica a pergunta atazanando dentro: por quê? O casal se gosta tanto, o que os impede de manter uma relação estável, divertida e sem tanta neura?

Condição de entrega: se não existir, a relação tampouco existirá pra valer. Será apenas um simulacro, uma tentativa, uma insistência.
Essa condição de entrega vai além da confiança. Você pode ter certeza de que ele é uma pessoa honesta, de que falou a verdade sobre aquele sábado em que não atendeu ao telefone, de que ele realmente chegará na hora que combinou. Mas isso não é tudo. Pra ser mais incômoda: isso não é nada.

A condição de entrega se dá quando não há competitividade, quando o casal não disputa a razão, quando as conversas não têm como fim celebrar a vitória de um sobre o outro. A condição de entrega se dá quando ambos jogam no mesmo time, apenas com estilos diferentes.

Um pode ser mais rápido, outro mais lento, um mais aberto, outro mais fechado: posições opostas, mas vestem a mesma camisa.

A condição de entrega se dá quando se sabe que não haverá julgamento sumário. Diga o que disser, o outro não usará suas palavras contra você. Ele pode não concordar com suas ideias, mas jamais desconfiará da sua integridade, não debochará da sua conduta e não rirá do que não for engraçado.

É quando você não precisa fingir que não pensa o que, no fundo, pensa. Nem fingir que não sente o que, na verdade, sente.
Havendo condição de entrega, então, a relação durará para sempre?

Sei lá. Pode acabar. Talvez vá. Mas acabará porque o desejo minguou, o amor virou amizade, os dois se distanciaram, algo por aí. Enquanto juntos, houve entrega. Nenhum dos dois sonegou uma parte de si.

Quando não há condição de entrega, pode-se arrastar, prolongar, tentar um amor pra sempre. Mas era você mesmo que estava nessa relação?

Condição de entrega é dar um triplo mortal intuindo que há uma rede lá embaixo, mesmo que todos saibamos que não existe rede pro amor. Mas a sensação da existência dela basta.

6 comentários:

Paty Michele disse...

Tenho esse livro, um dos melhores da Martha.
Recomendo pra vc a crônica "O amor que a vida traz". É uma boa dica pra quem vive escolhendo demais (como eu).

Um abraço, Mateus.

Matheus Farizatto disse...

Que bacana, Paty. Esta crônica eu ainda não li.

Obrigado pela dica e já estava com SAUDADE de seus comentários!

Um beijão.

Rodrigo Ziviani disse...

Fazia tempo que não passava por aqui. Hoje, criei coragem, rs. Adorei o texto da Marta, ela é mesmo mestre em dissecar relacionamentos e seus mistérios, de uma forma geral.

Agora, o que mais gostei foi dessa foto aí com vc de camisa nova e xadrez. Gente, eu te maceto. Vou te macetar, só isso que vou fazer, VIU? Hehe. Bjo.

Matheus Farizatto disse...

A Martha é mesmo ótima. Seus textos são confortantes demais.

Curtiu a foto, então? rsrs

Beijão, Ro.

PIMENTA E POESIA (Maria Tereza) disse...

Adooooooooooooooro a Martha e tenho o prazer de dizer que eu a conheci através de você, coisa rica da minha vida. kkkk

Beijoooooooo

Matheus Farizatto disse...

SOMOS RHYCKAS, Maria Tereza!

Hehehe. Dividindo para somar sempre.

beijão.