quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Crise de Esom

Préstenção! O Virando Jornalista adverte: esta crônica contém revelações devastadoras sobre um distúrbio que atinge a humanidade, inclusive, você. Portanto, se possui alguma dificuldade em lidar com verdades incômodas, pare de ler.

Há alguns dias, o autor do VJ, Matheus Farizatto, descobriu um comportamento comum entre os seres humanos, porém, muitas vezes tido como algo sem importância e inofensivo. E não é. A crise de Esom (Eu Sou O Máximo) atinge pessoas de todas as idades, em situações adversas e pode causar sérios danos àqueles que sofrem ou presenciam um ataque.


Pesquisas patrocinadas pelo Virando Jornalista mostram que não se trata de um transtorno como muitos outros. O Esom – leia “ezóm” - é uma crise que pode surgir sem precedentes. Trata-se de um ataque de caráter que pode ser identificado facilmente se houver atenção a alguns comportamentos.

A crise de Esom pode começar de forma lenta ou se manifestar rapidamente na vítima. Os primeiros sinais são: arrogância, prepotência e incompreensão.

Quando um ataque da crise está prestes a começar, a pessoa inicia um comportamento do tipo “eu sou o dono da verdade”. Em situações como uma conversa comum, nada, nem ninguém, mudará a opinião do sujeito que está passando pelo Esom. A vítima sequer aceita ouvir qualquer argumento sobre o assunto.

O Esom atinge pessoas de todas as idades, nas várias formas de relacionamento. Entre amigos, durante uma crise, ninguém está à altura daquele que sofre de Esom. Gostos culturais, tipo de evento que frequenta ou cargo que ocupa são moralmente massacrados pela vítima da crise. É como se nada parecesse estar a seu alcance.

O jornalista Matheus Farizatto foi voluntário em alguns testes sobre a descoberta do Esom. “Depois que passei a entender a crise, identifiquei vários momentos de ataque que passei. Foram brigas no relacionamento, discussões com amigos e até mesmo no trabalho. De repente, eu me sentia a pessoa mais inteligente do mundo. Era como se eu tivesse todos os argumentos contra tudo que não era do meu gosto. Eu pensava, ‘dane-se os outros’, eu me basto, eu sou o certo, sempre. Em seguida, essa raiva misturada com excesso de autoconfiança, passava. Só então percebia o comportamento exagerado que eu tinha”, explica Farizatto.

Após sofrer e assistir a várias crises, o autor do Virando Jornalista comenta algumas formas de prevenir um ataque de Esom. “Se deixarmos começar, perderemos o controle. Por isso é preciso estarmos sempre dispostos a ouvir e entender o ponto de vista e opinião de outras pessoas. Parece clichê, mas a compreensão do ‘se colocar no lugar do outro’ é o melhor remédio”, recomenda o jornalista.



Durante apresentação em entrevista coletiva realizada há alguns dias, um radialista perguntou o que alguém que presencia a crise de Esom pode fazer para diminuir o ataque na outra pessoa. “É preciso manter a calma e ter consciência que este outro está apenas passando pela crise, que logo vai terminar. Enquanto isso, responder calmamente e tentar não ‘enfrentar’ o outro são comportamentos que ajudam. Em alguns casos, o ataque só passa após uma noite de sono”, indica Farizatto.

Quem já sofreu ou vivenciou uma crise de Esom, em qualquer escala, comente no Virando Jornalista. Sua participação pode evitar muitos outros ataques e salvar relacionamentos.

Curta também o VJ no Facebook, clicando no banner na barra à direita desta página. Entre nesta campanha em prol das vítimas de Esom.


4 comentários:

PIMENTA E POESIA (Maria Tereza) disse...

A--D-O-R-E-I! Eu já tive várias crises dessas, obviamente, mas posso atestar o seguinte: em mim a tendência tem sido as crises desaparecerem com a idade, à medida em que amadureço e levo as porradas da vida. Mas conheço pessoas bem mais velhas que eu e que têm dificuldade em até mesmo aceitar que vivem em pleno ESÒM. O foda do problema é que ele é tão persistente que acaba até com um grande amor...ou um grande tesão....enfim, pode devastar tudo. Pesquisemos mais a respeito, né, Fioti? Beijooooooooo

Rodrigo Ziviani disse...

Estudos indicam, porém, que o ESOM pode ser confundido com "opinião própria e excesso de personalidade". Há uma linha tênue que divide os dois. Só os mais astutos conseguem distinguir. Para os menos, é comum - e extremamente conveniente - achar que tudo é uma crise de arrogância e culpar o outro pelo incômodo causado pela falta de argumentação. Enfim, dá pra escrever outra tese. Bjo.

Matheus Farizatto disse...

VJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJ

E seguimos com as pesuisas, Maria Tereza! A questão da idade ajuda mesmo no amadurecimento, mas muitos permanecem "verdes". Hehehe

Bjo, primeira a comentar!

VJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJ

BOA, Ro! "Opinião própria e excesso de personalidade" são realmente qualidades e não podem ser confundidas com Esom.

Beijo, lindão!

VJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJVJ

Grace Kelly Cano disse...

Quando chegar ao mercado farmacêutico as cápsulas que previnem essa crise, por favor, encomende meia dúzia pra mim!
Adoro seus posts!
Bjo seu lindo, cheio de saudade!!!