quarta-feira, 22 de junho de 2011

Cartas e respostas

Mês dos namorados e volta e meia escrevo sobre relacionamento no VJ. Há algumas semanas, recebi um e-mail de uma leitora do blog, pedindo minha opinião sobre entregar ou não a carta abaixo ao ex-namorado, com quem esteve por dez anos.

A separação foi resultado de ela não conseguir mais continuar o namoro/noivado – mesmo gostando muito do rapaz – depois de descobrir uma série de mentiras sobre o tal.
Anos depois, ela ainda tem sentimentos por ele, mas não sabe se este vive o mesmo.


Então... estamos separados há quase três anos, e nessas idas e vindas e idas, a nossa história tem mais de dez, né? O que me faz escrever esta carta são os sonhos que ainda tenho. Será que temos alguma ligação que foge a espera terrestre? Sou só eu que sempre sonha com você? Você sonha comigo ainda? Parece que às vezes você me chama através dos sonhos. Ou sou eu quem te procuro através deles?

Seja lá o que for, quero muito que você saiba que eu desejo a nossa felicidade independente de estarmos juntos. Falo a “nossa” pelo fato de termos ambições parecidas, como “essa tal felicidade”. Lembra? Que também pode ser conhecida como paz de espírito, acredito.

Sabe, hoje no auge dos meus 37 anos – nossa já! – penso na importância das pessoas que estão e estiveram na minha vida. Tenho você como um marco, um divisor de águas nesse processo de transição, no desenvolvimento deste despertar.

Eu poderia seguir o conselho de muita gente e esquecer o passado, tudo que ficou pra trás, o que me causou tanto sofrimento, porém este sofrimento todo está ligado ao autoconhecimento que também me levou e continua me levando a caminhos menos tortuosos e muito mais centrados e leves.

Olha, sempre gostei muito de conversar e te ouvir, e hoje quis compartilhar tudo isso, pelo simples fato de reconhecer a importância de todas essas questões que vivenciei, inclusive com você.


Disse a ela que entregasse a carta, se essa era a sua vontade, pois não teria nada a perder e futuramente poderia se arrepender por não ter feito. Como já diz a minha sogra, “enquanto ainda houver uma gota que seja deste amor, ele deve ser vivido” – fato.

A leitora entregou, porém não teve retorno do sicrano. Foi perda de tempo e exposição? Não vejo assim. No fim das contas o que ficou é que ele realmente não se importa.

2 comentários:

PIMENTA E POESIA disse...

Ai que triste, tadinha...mas triste pra ele, pois ela deve ser uma baita de uma mulher pra ter tanta clareza assim. Quem saiu perdendo foi ele, coitado. Ela aprendeu horrores com a relação e com a tomada de consciência que a invadiu, principalmente com relação aos sonhos não compartilhados. Se amar é sonhar junto, ele parece estar em outra sintonia. Que ela bata em retirada, pra sonhar livre sonhos de amor e verdade. Beijo, meu fioti. Obrigada pelo seu doce e lindo comentário hj. Sabia que eu adoro vc?Deus te abençoe sempre, a cada dia.

Matheus Farizatto disse...

Foi ele mesmo quem perdeu nessa, mamãe lindaça!

Ainda vai precisar de uma tomada maior de consciência pra ela tocar de vez o barco, mas isso é só uma questão de tempo. Ela é um ótima pessoa.

Só sei que me adora porque você demonstra do melhor jeito e sempre que possível. Também te adoro com força!

Deus te abençoe sempre muito também. Um beijo.