sexta-feira, 11 de março de 2011

Escreva o livro

Em vez de escrever, ia dormir. Em vez de “Escreva o livro”, esse texto levaria o nome de “Preciso dormir”. Dormiria para fugir de chateação. Fuga! Já fiz muito isso. “Amanhã acordarei bem”. E acordava. Mas não faço mais isso. São motivos tão pequenos. E o desperdício é enorme.

Os motivos podem mudar, mas o que os causam não: medo, insegurança. Geralmente é isso. Falta de confiança. Em si e no outro.  Um exemplo: falarei dos gordinhos. E salve as gordinhas! O povo não perdoa. Ser humano é bom. Ser humano é uma bosta.

Lembro da vez em que um cara disse que curtia muito a tal menina, mas admitia ter vergonha de assumir um namoro com a "gordinha". Só por esse motivo. Ela: uma pessoa mais que especial. LINDA! Ele: um muleque preocupado com o que os amigos diriam. De novo: medo, insegurança. Até mesmo da parte dela. Podia tê-lo chamado na chincha e dito “filho, ou vai ou racha. Não vou levar um namoro secreto. Sou segura o bastante. Sei o que quero pra mim. Nesses quesitos, eu escrevi o livro, meu querido”. Mas ela não fez. Se machucou. Não virou. Não escreveu.

“Vingança, arrependimento: eu escrevi o livro”. Da mesma forma que não durmo mais por conta de chateações que levariam a criação de caso, joguinhos e brigas em um relacionamento, os gordinhos deveriam fazer o mesmo com essa sociedade. Fiquem acordados. Principalmente essas gostosas! Urrulll – as mulheres são as que mais sofrem com essa discriminação. 

“Perdoar, esquecer: eu escrevi o livro”. Domine o assunto. Tire de letra. Domine você: mente e corpo. “Mantendo segredos, eu escrevi o livro apenas não me teste”.

Educação, carisma, inteligência e autoconhecimento te deixam confortável e te tornam IRRESISTÍVEL. “Antes de dar uma segunda olhada, lembre-se que eu conheço todo truque no livro”. Escreva o livro.

“Implorando, suplicando: eu escrevi o livro”. Agora dormirei tranquilo. Dormirei comigo na cama king size da minha vida. Pequena pra mim, porém, tranquila. “Mentindo, chorando, eu escrevi o livro apenas não me teste”.

* Aspas retiradas da letra de “I Wrote the Book”, da Beth Ditto (foto) – gordinha linda, sexy, segura, pop, estilosa demais e bem com ela mesma, não precisando provar nada a ninguém. Nesses quesitos, ela escreveu o livro. Cata o clipe!


8 comentários:

Beta disse...

ADOREI!
Bom, este tema é complicado para os dias de hoje.
Antigamente ter carnes era lindo! Hoje em dia é a morte!
Sinceramente, eu não me importo.
Sempre fui gordinha, já ouvi cada coisa que realmente daria um livro e de comédia!
Mas sempre consegui o que quis.
É claro que já ouvi coisas que deixariam uma gordinha triste, mas eu mandava à merda (desculpe o palavrão, mas eu fazia isso mesmo).

Nunca perdi nada e sempre tive os namorados que quis e as coisas que quis.

Tenho uma amiga que já não é assim, como ela sofria e se menosprezava!
Ela nunca conseguia nada e colocava a culpa em suas gordurinhas!
O fato não importa, o que importa é como você lida com ele.
bj

PIMENTA E POESIA disse...

Fioti, que "orguio" (tecla sap: orgulho) docê mininu linduuuuuuuuuu! Vixe Maria!!!Parabéns pelo texto e pelas referências! Te adoro, baby!
Beijos de mãe nessa carinha linda.

Priscila Pavoni disse...

Ma, adorei esse texto!! Quantas e quantas mulheres não passam por isso todos os dias? Eu mesma, que nunca fui magra como dizem que temos que ser, já sofri também .. acho muito injusta essa ditadura da beleza ... acho que o mundo vai ser bem melhor quando vivermos na ditadura da inteligência ... hehehe ai sim vamos ter exemplos de seres humanos ... por enquanto a vida ainda é muito fútil ... e temos que nos esforçar sempre pra não acabar entrando nessa lavagem cerebral de que temos que ter corpos perfeitos ... simplesmente não é real, a não ser que você tenha muito dinheiro pra torrar em clínicas de estética e uma cozinheira à disposição 24 horas por dia e um especialista em photoshop pra tratar todas as fotos que você tirar na vida ... kkkkk mas, sinceramente, eu não gostaria de viver só de alface a vida toda ... não sei n, mas essas modelos não me convencem de que são felizes ... então, sejamos normais!! hehehe um dia, tudo isso muda ... certeza ... Beijos!!!

Fernanda disse...

Você é um máximo!..rs

Grace Kelly Cano disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Grace Kelly Cano disse...

"Os motivos podem mudar, mas o que os causam não: medo, insegurança. Geralmente é isso. Falta de confiança. Em si e no outro". #FATO. Amei.
Essa insegurança que certamente já atingiu qualquer mortal, é por si só uma doença que precisa de remédio...ou melhor, de veneno para extermínio o quanto antes!
Amo vc, adoro ler seu blog e que bom que em muitos quesitos já escrevemos nossos livros!

Matheus Farizatto disse...

Thnaks, girls! Mulheres BOMBAM no VJ – pra mim é mais que suficiente: bons comentários!

Wooow, Fernanda! Máximo não é bem mais que ótimo? Hehehe. Valeu, lindaça. Junte-se ao VJ!

É coisa de mortal mesmo Grace, fazer o que. Dá-lhe veneno e antídotos da vida! Temos SIM uma considerável estante de livros já hehe. LOVE U!

DÉIA disse...

Seu blog é muito bom por isso vim até o seu espaço e gostei muito do que li por aqui. Tenho um blog Tb gosto d++ de poemas. E estou te seguindo se VC puder da uma passada La no meu blog. E VAI SER UM PRAZER SE PUDER ME SEGUIR...Bejs . Déia.........
Esse é o link do meu blog
http://wwwdeiablog.blogspot.com/