terça-feira, 19 de maio de 2009

Tipo Cabo Patto

Na pista fria: rabanete, maionese de atum, almeirão, enroladinho de presunto e queijo, chicória e alface.
No salto de quinze centímetros, as respostas: “sim; engorda; que delícia; de jeito nenhum; sim; uma folha e meia; pronto!”.
Com a sandália lilás coberta de verniz refletindo no espelho do rodapé da pista self-service, Millena baixou os óculos escuros modelo máscara e examinou a farda que estava logo atrás, sem perceber os outros dezessete assalariados que se espremiam no restaurante, depois do Cabo Patto.
Ao passar para a pista quente, onde não suportava a idéia de ter em sua frente a lingüiça fina encharcada de óleo, a qual abolia toda semana, a loira de raízes morena até as orelhas desenhou com os olhos o rosto quadrado e cada fio da barba serrada do Cabo. Desviando o olhar, notou o peitoral esculpido sob os botões da camisa do policial.
Alisou os pêlos louros de água oxigenada do braço que segurava o prato. Com as unhas escarlates, levou o cabelo para trás da orelha e tentou ficar com os olhos na travessa com “vaca atolada”.
- Você deve passar muito calor dentro dessa roupa - soltou Millena.
De imediato, Cabo Patto continuou olhando para a “vaca atolada” que se aproximava e respondeu:
- É muito quente. Suo demais. Você não imagina o cheiro que fica!
Esperando outra resposta, a maquiada tenta:
- Ah, imagina. Mas deve ser quente mesmo - de novo olhando dos bolsos da camisa à bota preta sem engraxar.
- Fede demais. É pior que carniça. Dá até urubu aqui dentro. Sério. Fico fedendo o dia inteiro.
Millena, então, rejeitou de uma vez a pista quente que rejeita há oito anos. Adiantou-se até uma mesa para dois. E sentada de frente para o Cabo, bolsa verde-água pendurada no encosto da cadeira, as lentes de contato azuis esperavam Patto chegar.
Patto chegou. Cabo passou. Patto nem notou. Cabo sentou.
Virando a marca de biquíni no colo para trás, procurando o cinto na farda, Millena viu outro Cabo na mesa em que Pato almoçava e ria, ambos de boca cheia.
Na semana seguinte, a sandália era vermelha com paetês dourado.

Nenhum comentário: